Técnica Escutista » Em campo » Pioneirismo » Vários » Pontes   Entrar
  
  

 Pontes
 

 

Cruir pontes com técnicas de pioneirismo sempre foi uma actividade divertidíssima para escuteiros. E que tal aumentar o risco de a travessia proporcionar um bom banho, apelando ao teu equilíbrio e à colaboração dos elementos da tua patrulha ou equipa? Aqui ficam duas sugestões.

ponte.jpg

Quatro ajudantes controlam o topo de um poste vertical assente no fundo do leito do rio, usando cabos. O escuteiro que vai fazer a travessia apoia os pés numa vara, que tentará manter horizontal, a qual está presa ao poste por um cabo curto. É com os pés que se controla a vara horizontal, rodando-a de uma margem para a outra. É necessário que os quatro ajudantes manobrem o topo do poste, dando-lhe inclinação suficiente para a margem de embarque e depois para a margem de desembarque.

ponte (1).jpg

Um poste vertical é fixo no fundo do leito do rio. Para que se mantenha na vertical, poderá ser espiado com quatro cabos, dois em cada margem (não estão visíveis na imagem). São necessários dois ajudantes, sendo que um iça a extremidade plataforma uns centímetros acima da margem e o outro fá-la girar até à sua margem. A plataforma está pendurada no poste apenas com um cabo. No topo do poste poderá usar-se uma pequena roldana por onde passará o cabo que iça a plataforma. O escuteiro deverá equilibrar-se junto ao poste, quando a plataforma girar. Sequencialmente, o escuteiro sobe para a plataforma, caminha até ao poste, iça-se a plataforma, gira-se 180º até à margem oposta, desce-se a plataforma e o escuteiro caminha até terra firme.

Estas duas “pontes” podem ser usadas de outras formas, como, por exemplo, como jogos de destreza em terra, cerimónias de passagem de secção, rituais de admissão de novos escuteiros, etc.

Baseado em ilustrações de Kenneth Brookes e John Sweet, in “Fun with ropes and spars”.