Escutismo » Lobitismo » Livro da Selva » Introdução   Entrar
  
  

 Introdução
 

 

O livro da Selva (1894) é um recolhimento de notícias escritas por Rudyard Kipling e inspiradas nas suas numerosas viagens à Índia.
As três primeiras histórias do livro contam as aventuras de Máugli, um filho de homem, criado por lobos na selva Indiana. A quarta história fala de Cótique, a foca branca. A quinta história é de Ríqui-Tíqui-Távi, que narra as aventuras de um manguço. A sexta, Tumai dos Elefantes, é a história de um jovem domador de elefantes. E por último, Servidores de Sua Majestade, que conta a história de um soldado Britânico.
O Livro da Selva é utilizado como livro de referência aos lobitos, tendo isto sido aprovado por Kipling após o pedido expresso de Robert Baden-Powell, fundador do nosso movimento.

Os Irmãos de Máugli
Máugli, um pequeno rapaz é criado por lobos na selva Indiana com à ajuda do urso Balú e da pantera Bàguirá.

A Caçada de Cá
É antes do combate de Máugli e Xer Cane. Quando Máugli é apanhado pelos macacos, Balú e Bàguirá vão em seu auxílio com a ajuda de Chil e Cá.

Tigre! Tigre!
Máugli volta à aldeia dos homens e é adoptado por Messua e seu marido, que vêem em Máugli o seu filho Nadú desaparecido há longos anos. Mas Máugli não consegue habituar-se à vida dos homens.

A Foca Branca
Conta a história de Cótique, uma foca de pele branca, que procura um local onde se possa instalar juntamente com o seu povo de modo a que não sejam incomodados pelos caçadores de focas.

Ríqui-Tíqui-Távi
É a história de Ríqui-Tíqui-Távi, um manguço que defende uma família que vive na Índia contra um casal cobras.

Tumai dos Elefantes
Um jovem rapaz de 10 anos encarregado de supervisionar elefantes, sabe que poderá ser um verdadeiro domador de elefantes.

Ao Serviço de Sua Majestade
Conta a história de um soldado Britânico na véspera de um desfile militar.

 

O Cenário da Selva

Kipling situa as suas histórias da selva nos montes de Seiôuni, na Índia Central. É uma área coberta por densas florestas e colinas rochosas, atravessada por muitos rios e correntes.

 

Os nomes que Kipling deu a alguns animais da selva tinham a sua origem em dialectos locais que ele conhecia.

  • Báguirà (Bug-eer-a) vem da palavra que designa gato selvagem, em muitas línguas indianas.
  • A palavra “Sher”, do nome Xer Cane, significa tigre.
  • Balú (Bah-loo) é a palavra indiana que designa urso.
  • Chil (Cheel) deriva do som produzido pelo milhafre.
  • Kipling que Àquelá (Uk-kay-la) significa sozinho. Na história o Àquelá é o Lobo Solitário.
  • O nome  Bândarlougue (Bunder-log) deriva da palavra indiana que designa macaco de Bengala.